Saúde Imunização suspensa

Conselho estima mais de 100 cidades do Piauí sem CoronaVac para 2ª dose

Segundo o Conselho das Secretarias Municipais de Saúde do Piauí, 101 cidades não têm doses da CoronaVac para aplicar a segunda dose. Teresina está entre os municípios que aguardam novas doses.

04/05/2021 10h57
Por: Redação Fonte: G1 Piauí
Produzida no Brasil pelo Instituto Butantan, CoronaVac é aplicada em massa em moradores de Serrana (SP) — Foto: Instituto Butantan/Divulgação
Produzida no Brasil pelo Instituto Butantan, CoronaVac é aplicada em massa em moradores de Serrana (SP) — Foto: Instituto Butantan/Divulgação

Mais de 100 cidades do Piauí estão sem estoque para aplicação da segunda dose da CoronaVac, vacina feita em parceria Sinovac/Butantan, de acordo com levantamento feito pelo Conselho das Secretarias Municipais de Saúde do Piauí (Cosems). O levantamento ainda está sendo realizado e uma reunião com representantes do Ministério da Saúde, nesta terça-feira (4), pode mudar este número.

"Esse número pode diminuir ou até aumentar, porque ainda estamos recebendo informações dos municípios. Nos próximos dias, pode variar muito. Mas nestas cidades, a aplicação de segunda dose com a CovonaVac está suspensa, porque não há estoque", disse Leopoldina Cipriano, vice-presidente do Conselho.

De acordo com o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, a interrupção é resultado da conduta de seu antecessor no comando da pasta, Eduardo Pazuello.

"[O atraso] decorre da aplicação da segunda dose como primeira dose", afirmou. "Logo que houver entrega da CoronaVac, [o problema] será solucionado."

A falta de doses da vacina fez com que várias capitais do país parassem a vacinação. Em Teresina, segundo a Fundação Municipal de Saúde, apenas a segunda dose para pessoas acamadas está sendo aplicada. A FMS informou que há a possibilidade de chegada de novas doses do imunizante ainda nesta terça (4).

 

Chegada de doses insuficientes

 

Na sexta-feira (30) e no último sábado (1º), o Piauí recebeu 4.800 doses da CoronaVac. Contudo, segundo a Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi), estas doses já estavam direcionadas a alguns grupos prioritários, como: 3% do grupo de trabalhadores da Saúde (2.255 doses) que estavam inclusos na pauta 13B, também a segunda dose de 6% (405 doses) das forças de segurança e salvamento e armadas.

Também chegaram mais 0,20% (11 doses) para segunda dose do grupo de forças segurança, salvamento e armadas. As vacinas do Instituto Butantan serão destinadas ainda, para primeira dose de 7,4% do grupo de força de segurança e salvamento.

Segundo a vice-presidente do Cosems, a quantidade era insuficiente para reiniciar a vacinação da segunda dose. Segundo ela, os municípios precisam de pelo menos 25 mil doses para dar continuidade à imunização de idosos.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.