Política Golpista

Intimidação golpista de Braga Netto enterra voto impresso no Congresso

A urna eletrônica já é auditável e o general sabe disso. A pressão criminosa sobre o parlamento pela aprovação da impressão do voto tem o único objetivo de abrir caminho à estratégia do presidente da República para tumultuar as eleições do ano que vem em caso de derrota, abrindo caminho para um golpe de Estado.

22/07/2021 09h04
Por: Redação Fonte: Coluna do Leonardo Sakamoto
Ministro da Defesa, general Walter Braga Netto | Imagem: UESLEI MARCELINO
Ministro da Defesa, general Walter Braga Netto | Imagem: UESLEI MARCELINO

De onde não se espera nada de bom é que não vem nada mesmo. Arthur Lira (PP-AL), presidente da Câmara dos Deputados, recebeu um recado do ministro da Defesa, general Braga Netto, no dia 8 de julho, de que se não houver voto impresso e auditável, não haverá eleição em 2022. A mensagem foi a mesma repetida abertamente e à exaustão por Jair Bolsonaro no mesmo momento.

O golpismo foi revelado por reportagem de Andreza Matais e Vera Rosa, no jornal O Estado de São Paulo, nesta quinta (22).

A urna eletrônica já é auditável e o general sabe disso. A pressão criminosa sobre o parlamento pela aprovação da impressão do voto tem o único objetivo de abrir caminho à estratégia do presidente da República para tumultuar as eleições do ano que vem em caso de derrota, abrindo caminho para um golpe de Estado.

Assim, ele teria sucesso naquilo em que Donald Trump fracassou. Lembrando que, por lá, revelações recentes mostraram que o comando militar norte-americano não embarcaria no golpismo eleitoral.

Se os envolvidos confirmarem a denúncia, Braga Netto terá demonstrado ser o mais bolsonarista dos ministros. Pois a facilidade com a qual trata de golpe de Estado, ameaça um dos Poderes da República e faz silêncio diante do envolvimento de militares no escândalo de corrupção da compra de vacinas significaria que o general compartilha integralmente dos mesmos valores distorcidos do seu chefe, o capitão reformado.

Vale lembrar que Braga Netto e os três comandantes das Forças Armadas já haviam ameaçado, através de uma nota, o presidente da CPI da Covid, senador Omar Aziz (PSD-AM), que afirmou que "membros do lado podre das Forças Armadas estão envolvidos com falcatrua dentro do governo" e que os honestos devem estar muito envergonhados. Mais do que uma demonstração de indignação, era uma tentativa de auto-preservação.

Tanto que, no documento, que tentou emparedar Aziz e o Senado, o ministro da Defesa não escreveu uma linha sequer de repúdio à corrupção, mostrando que isso não estava em sua lista de prioridades. Tentar tirar um cascalho da saúde pública, superfaturando preços e cobrando propinas é uma falcatrua terrível, mas destruir a democracia é uma falcatrua ainda pior.

Esse tipo de comportamento é exatamente aquilo que Bolsonaro esperava de Braga Netto ao coloca-lo no lugar do general Fernando Azevedo e Silva à frente do ministério da Defesa em março. Desejava alguém que saísse em sua defesa e em oposição a quem o fiscaliza e o investiga, mesmo que isso significasse um atentado à Constituição. Mostra, portanto, que o presidente acertou ao colocar alguém à sua imagem e semelhança no cargo.

Ironicamente, a declaração golpista é revelada num momento em que militares perdem espaço no centro do poder, com a retirada do general Luiz Eduardo Ramos da Casa Civil (posto que já foi ocupado por Braga Netto), substituído por um dos líderes do centrão, o senador Ciro Nogueira (PP-PI). A mudança enterrou de vez a cantoria do ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno, que, na campanha eleitoral de 2018, parodiou Bezerra da Silva: "Se gritar pega Centrão, não fica um, meu irmão".

A revelação, contudo, deve enterrar de vez as pretensões de aprovar a impressão de voto a tempo das eleições de 2022. A pauta quase foi arquivada no último dia antes do recesso parlamentar, após um grupo de 11 partidos políticos fecharem questão contra a proposta.

Os ministros Luís Roberto Barroso, Alexandre de Moraes e Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, conversaram com os parlamentares sobre os riscos do projeto, o que enfureceu Bolsonaro. Desde então, ele vem xingando Barroso, também presidente do Tribunal Superior Eleitoral, em público.

Agora, com a repercussão negativa do ministro da Defesa colocando uma faca no pescoço do presidente da Câmara e um dos líderes do centrão é que a pauta virou fumaça mesmo. O centrão sabe que a aprovação da medida significaria submissão aos militares. Seja por respeito à Constituição ou pela disputa de espaços de poder dentro do governo, a medida deve ser engavetada.

Bolsonaro terá que encontrar outra forma de dar um golpe nas eleições do ano que vem. Criatividade e vontade não faltam a ele.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Marreta Popular
Sobre Marreta Popular
Notícias, artigos e denúncias que refletem os anseios do povo.