34°

Poucas nuvens

Teresina - PI

Saúde Saiba mais

Interrupção dos antidepressivos pode levar à recaída, diz estudo

Estudo realizado no Reino Unido pode ajudar profissionais da saúde mental na condução e desmame correto dos medicamentos

05/10/2021 às 09h52
Por: Redação Fonte: CNN Brasil
Compartilhe:
Pesquisa feita com 478 pessoas de 150 clínicas de atenção primária no Reino Unido estudou efeitos do desmame de antidepressivos
Pesquisa feita com 478 pessoas de 150 clínicas de atenção primária no Reino Unido estudou efeitos do desmame de antidepressivos

Mais da metade das pessoas com depressão crônica que tentaram interromper sua medicação antidepressiva recaíram em em crise ao final de um ano, em comparação com aqueles que não pararam de se medicar. As informações são de um ensaio clínico duplo-cego divulgado na quarta-feira.

A pesquisa, publicada no New England Journal of Medicine, descobriu que “as medidas de qualidade de vida e os sintomas de depressão, ansiedade e abstinência de medicamentos foram geralmente piores em pacientes que interromperam a terapia com antidepressivos”.

Curiosamente, o estudo descobriu que uma pequena porcentagem de pessoas foi capaz de interromper com sucesso o antidepressivo sem ter outro episódio depressivo.

“Algumas pessoas podem interromper a medicação sem recaída, embora no momento não possamos identificar quem são essas pessoas”, disse a co-autora Gemma Lewis, professora de epidemiologia psiquiátrica da University College London.

“Acho que podemos ficar muito animados com as descobertas”, afirmou o co-autor Dr. Tony Kendrick, professor de cuidados primários da Universidade de Southampton, no Reino Unido.

“Esta é uma evidência realmente boa para apoiar as próprias decisões do paciente – em discussão com seu médico ou outro prescritor – sobre se eles devem continuar com os antidepressivos ou não”, disse Kendrick. “Ambos os cursos de ação são razoáveis.”

Quando as pessoas enfrentam uma crise depressiva pela primeira vez, a prática atual é continuar com os antidepressivos entre quatro a nove meses após a remissão da depressão, explica Jonathan Alpert, presidente do Conselho de Pesquisa da Associação Psiquiátrica Americana, que não esteve envolvido no estudo.

A remissão é definida como um período de dois meses sem sinais de depressão grave, como tristeza e redução do interesse ou prazer na vida.

“Na minha própria prática, se o paciente tem um primeiro episódio de depressão, e particularmente se foi desencadeado por um evento de vida – morte de um ente querido, negócio falido – então tento o meu melhor para fazer os pacientes entrarem em remissão, então eu trato por um mínimo de seis meses após eles atingirem a remissão”, disse Jeffrey Jackson, professor da Faculdade de Medicina de Wisconsin, que estuda a depressão.

“Se eles permanecerem em remissão por esses seis meses, então podemos considerar a redução gradual dos antidepressivos – com a pessoa monitorando cuidadosamente seus próprios sintomas depressivos”, acrescentou Jackson. O professor, que não esteve envolvido no estudo, escreveu um editorial anexo publicado no NEJM.

Infelizmente, o perigo de um novo surto de depressão mais tarde na vida é alto, disse Alpert, que também é chefe de psiquiatria do Sistema de Saúde Montefiore, no Bronx.

“Se alguém teve um episódio de depressão, as chances de um segundo episódio em algum momento da vida é de 50%”, disse ele. “Se alguém já teve duas depressões, as chances de uma terceira são ainda maiores – mais de 75% das pessoas que tiveram duas ou mais crises depressivas terão outra.”

A ciência sabe há muito tempo que as pessoas com depressão recorrente têm maior dificuldade em abandonar os antidepressivos e maior probabilidade de recaída quando o fazem, acrescentou Alpert. “Para pacientes que tiveram três ou mais episódios depressivos, geralmente planejo tratá-los pelo resto da vida”, disse Jackson.

 

Lidando com pesquisas desatualizadas

 

Muitas das pesquisas feitas sobre a eficácia a longo prazo dos antidepressivos são antigas e limitadas. De acordo com os autores da pesquisa, então, o estudo foi projetado para preencher essa lacuna no conhecimento.

“Muitas pessoas estão tomando antidepressivos de longo prazo, e as evidências para aconselhá-los a continuar a manutenção ou descontinuar o tratamento são fracas”, disse Lewis.

Foram recrutadas 478 pessoas de 150 clínicas de atenção primária no Reino Unido. Cada pessoa teve pelo menos dois episódios depressivos ou tomou medicação antidepressiva por dois anos ou mais. Todos se sentiram bem o suficiente para parar de tomar a medicação.

“Este é o maior estudo feito em um ambiente de atenção primária do mundo real”, disse Alpert.

“Isso é importante porque a maioria dos pacientes com depressão são tratados por seu provedor de cuidados primários”, disse Jackson. “A maioria dos prestadores de cuidados primários apenas se refere aos psiquiatras se os pacientes são suicidas, homicidas, psicóticos, bipolares ou não respondem à terapia”.

Apenas as pessoas que tomaram as dosagens de manutenção de quatro antidepressivos foram incluídas no estudo: citalopram (Celexa), fluoxetina (Prozac), sertralina (Zoloft) e mirtazapina (Remeron).

Outros antidepressivos populares, como o escitalopram (Lexapro), não foram incluídos devido à maior probabilidade de sintomas graves de abstinência, disseram os autores.

Todos os medicamentos e o placebo de lactose no estudo foram embalados de forma idêntica em frascos não marcados, de modo que tanto os pacientes quanto os pesquisadores não tinham conhecimento do conteúdo.

Metade do grupo recebeu doses reduzidas de seu antidepressivo durante um período de dois meses; no início do terceiro mês, todos estavam tomando placebo. A outra metade do grupo continuou a tomar sua dose normal de antidepressivo.

Ao final de 52 semanas de acompanhamento, 56% das pessoas que haviam desmamado seus antidepressivos tiveram uma recaída em depressão, em comparação com 39% das pessoas que continuaram seus medicamentos.

“Os pacientes que interromperam seus antidepressivos tiveram uma recaída mais cedo do que os pacientes que permaneceram com seus antidepressivos”, disse Lewis.

Os sintomas de depressão e ansiedade também foram maiores no grupo que interrompeu os medicamentos, acrescentou ela. Mas poderiam ter sido sintomas de abstinência?

“Nem sempre é tão fácil dizer”, disse Kendrick. “Se alguém está começando a ficar ansioso, se está começando a ter distúrbios do sono ou está começando a se sentir mal. A depressão está voltando? Ou são sintomas de abstinência?”

Independentemente da origem dos sintomas, várias pessoas abandonaram o estudo, embora não soubessem se estavam tomando medicamento ou placebo.

“Ficou claro que eles votaram com os pés”, disse Alpert. “Quando eles não estavam indo tão bem, eles eram mais propensos a desistir do estudo e mais propensos a retomar os medicamentos”.

 

Uso de longo prazo

 

De acordo com Kendrick, os resultados do estudo forneceram algumas dicas sobre os benefícios do uso de antidepressivos a longo prazo.

“É reconfortante saber que as pessoas que tomam antidepressivos por um longo prazo estejam de fato sendo beneficiadas. Não é algo que estejam tomando desnecessariamente”, disse ele.

Existem efeitos colaterais para muitos medicamentos, como ganho de peso e disfunção sexual, “então tentamos escolher antidepressivos e ajustar a dose para uma determinada pessoa para que ela tolere melhor e tenha menos efeitos colaterais”, disse Alpert.

“No entanto, pelo que sabemos, não há consequências a longo prazo, como aumento do risco de câncer, derrame, doenças cardíacas ou problemas hepáticos em virtude do uso de antidepressivos”, acrescentou.

Se você decidir diminuir, faça-o lentamente e adicione terapia psicológica, que, segundo estudos, “pode ​​ajudar a prevenir o risco de recaída”, acrescentou Kendrick.

“As últimas diretrizes sugerem que você deve levar algumas semanas para parar de usar os antidepressivos”, disse ele. “Se você está tendo sintomas de abstinência e está achando difícil, podem ser necessários meses para abandoná-los”.

 

O que mais pode ser feito?

 

Os antidepressivos, é claro, não são o único tratamento para a depressão. Há muitas coisas que as pessoas podem fazer para melhorar seus sintomas durante o uso de medicamentos ou reduzir a probabilidade de uma recaída após o desmame de um antidepressivo, disse Alpert.

A atividade física é fundamental. “Parece que até mesmo quantidades relativamente moderadas de atividade, como uma caminhada rápida várias vezes por semana, pode ajudar no tratamento da depressão e também na prevenção de recaídas”, afirmou o profissional.

Alpert também reforça que as conexões sociais também são importantes. Fazer um esforço para não ficar isolado, buscando apoio social de outras pessoas, faz a diferença, assim como atividades que são significativas e gratificantes.

“Atividades comunitárias e atividades voluntárias, também parecem ser importantes para ajudar com a depressão”, disse ele. “Quando as pessoas buscam objetivos que sejam significativos para elas, isso também é útil.”

A psicoterapia baseada em evidências funciona. “As pessoas que optam por reduzir gradualmente seus medicamentos têm uma chance maior de ficar bem se estiverem buscando certas formas de psicoterapia, demonstradas em estudos como eficazes”, disse Alpert.

A terapia cognitivo-comportamental, ou TCC, tem sido amplamente estudada e considerada comparável em eficácia aos antidepressivos para depressão. Muitas vezes, é usado em conjunto com medicamentos para pessoas cujos sintomas não melhoram apenas com o antidepressivos.

A terapia concentra-se no processo de pensamento de uma pessoa, tentando interromper pensamentos falsos ou negativos sobre si mesma e outras pessoas que podem levar a um humor deprimido. Em vez disso, as pessoas são encorajadas a substituir pensamentos mais saudáveis ​​e positivos, que podem melhorar a autoimagem e o comportamento.

“Não é exatamente como ficar deitado no sofá e fazer associações livres”, disse Alpert. “Existem especificidades como tarefas de casa e habilidades que as pessoas adquirem.”

A terapia de aceitação e compromisso, ou ACT, usa uma abordagem semelhante, com mais foco em aceitar pensamentos negativos e descartá-los.

“Em vez de mudar seus pensamentos, você aceita a ideia de que eles são apenas pensamentos, não são iguais à realidade e não são quem eu sou”, explicou Alpert. “Perceber que pensamentos como o clássico ‘não sou bom o suficiente’ são apenas pensamentos, e aprender como afasta-los”.

Já a psicoterapia interpessoal ou TIP, enfoca as mudanças na vida da pessoa que tem maior relação com as relações interpessoais.

“A terapia interpessoal tem muito a ver com relacionamentos, como perdas ou transições no papel de alguém com os outros… e depois trabalhar nisso, como você pode seguir em frente com uma vida que valha a pena ser vivida e se adaptar ou tirar o melhor dessas transições,” ele disse.

Os terapeutas muitas vezes falam aos pacientes sobre as diferentes abordagens, pois uma pode ser “uma combinação melhor de onde eles estão em suas vidas e as coisas com as quais estão lidando”, acrescentou. “Existem muitas coisas que as pessoas podem fazer além dos medicamentos.”

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Viver Bem
Viver Bem
Sobre Dicas de como manter a saúde em dia através da adoção de uma rotina simples para sua vida!
Teresina - PI Atualizado às 17h16 - Fonte: ClimaTempo
34°
Poucas nuvens

Mín. 24° Máx. 36°

Qua 35°C 23°C
Qui 37°C 23°C
Sex 35°C 23°C
Sáb 38°C 23°C
Dom 37°C 24°C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes