31°

Poucas nuvens

Teresina - PI

Brasil Medidas rígidas

Por que o Nordeste registra a menor taxa de mortalidade pela covid em 2021

A região também foi a primeira a ter uma metrópole a realizar um lockdown —no caso, São Luís.

18/04/2021 às 10h41
Por: Redação Fonte: Uol
Compartilhe:
Morador de São Luís-MA apresenta permissão para circular de automóvel durante lockdown por causa da covid-19 - Imagem: Biné Morais/Agência São Luís
Morador de São Luís-MA apresenta permissão para circular de automóvel durante lockdown por causa da covid-19 - Imagem: Biné Morais/Agência São Luís

Em 2020, quando a pandemia começou a se alastrar no país, o Nordeste lançou um comitê científico para ajudar os governos a tomarem medidas de prevenção contra a covid-19. Lançaram campanhas em massa alertando sobre a necessidade de distanciamento, uso de máscara e álcool em gel. A região também foi a primeira a ter uma metrópole a realizar um lockdown —no caso, São Luís.

Com medidas mais rígidas e uma comunicação mais forte do que em outras regiões, o Nordeste registra hoje a menor taxa de mortalidade pela covid-19. Em 2021, por exemplo, essa taxa está em 49 por 100 mil habitantes, 37% menor do que a média nacional no mesmo período, que chega a 78 por 100 mil habitantes. No Sul, líder no índice, o número chega a 109 por 100 mil.

"O Nordeste hoje é quem puxa hoje a mortalidade do Brasil para baixo", diz André Longo, secretário de Saúde de Pernambuco e vice-presidente do Nordeste do Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde).

A taxa de mortalidade do Nordeste na pandemia era de 134 por 100 mil na última quinta-feira (15). Os três estados com menores taxas de mortalidade na data eram do Nordeste: Maranhão (95 para cada 100 mil), Bahia (114) e Alagoas (117). A média nacional na data ficava em 174 para cada 100 mil pessoas.

Desde o início da pandemia, segundo os números oficiais do Ministério da Saúde, a região registrou até a quinta-feira 76 mil dos 365 mil óbitos —o equivalente a 21%.

Longo afirma que o resultado se deve, em partes, porque a região se articulou desde o início e ouviu mais a ciência. Mas ele reconhece que, mesmo com uma situação melhor que outras regiões, o cenário é crítico no Nordeste.

"A gente não comemora esses números. Mas precisamos reconhecer o esforço dos profissionais de saúde e dos governadores, que tiveram coragem de adotar medidas restritivas --que nem sempre têm uma repercussão positiva na população, mas precisavam ser adotadas. Além disso, ampliamos muito a capacidade hospitalar. Só aqui foram 540 leitos de UTI em 40 dias." André Longo, secretário de Saúde de Pernambuco e vice-presidente do Nordeste do Conass

Quatro dos nove estados têm mais de 90% de ocupação de leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva).

Para a infectologista Ana Brito, da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) de Pernambuco, ainda é cedo para ter certeza de que os números se manterão tão abaixo da média nacional por conta do incerto pico da segunda onda da pandemia.

"Olhando para Manaus, a gente vê que teve um período de 45 dias até a explosão da epidemia. Mas pode ser que a gente já esteja entrando nesse tempo, mas é uma especulação. É preciso aguardar mais."

Indiscutivelmente as medidas de restrição de circulação da população causam uma diminuição dos casos. O problema do Brasil é que a gente não fez medida restritiva de forma rigorosa. A gente aqui fez medidas parciais, mas, mesmo parciais, há uma resposta, embora mais tímida", completa.

 

Referência no país

 

Salvador e Fortaleza, duas das cidades mais populosas da região, foram citadas como referência em medidas de restrição à circulação bem-sucedidas no último boletim da Fiocruz.

"Tendo como referência os decretos nacionais que estabelecem as atividades e serviços essenciais, bem como decretos municipais mais recentes de Fortaleza, Salvador e Araraquara (SP), cidades que se submeteram a restrições mais rígidas e que apresentaram decréscimo sustentado dos indicadores de criticidade da pandemia, apresentamos no alguns exemplos de atividades e serviços essenciais e não essenciais", diz documento da entidade.

Fortaleza decretou o fechamento dos serviços não essenciais em 5 de março, flexibilizando apenas questões pontuais até aqui. Já na Bahia, primeiramente houve fechamento de serviços não essenciais no último fim de semana de fevereiro, mas depois a medida foi esticada para todos os dias da semana em março.

Nos demais estados, todos adotaram algumas medidas restritivas, como toque de recolher, suspensão de eventos, fechamento de bares e restaurantes e restrição de horários de atividades não essenciais.

A revista científica The Lancet afirmou ainda que o Nordeste é o melhor exemplo de medidas restritivas com sucesso no país, mesmo sendo uma área com grande vulnerabilidade social.

A médica e pesquisadora Fernanda Grassi, da Fiocruz da Bahia, ressalta que o resultado do Nordeste chama ainda mais a atenção porque a região tem uma disponibilidade de leitos de UTI menor que Sul e Sudeste.

"Essa menor mortalidade deve estar relacionada à postura adotada pelos governos, que desde muito cedo criaram um comitê científico com pessoas de grande experiência no controle de epidemias. Houve, sem dúvida, uma maior busca de seguir a OMS (Organização Mundial da Saúde) para mitigar essa epidemia, com campanhas educativas", destaca.

O epidemiologista Antônio Lima Neto, da Unifor (Universidade de Fortaleza), afirma que, como a epidemia ainda está em curso, não há como cravar que a região não verá um crescimento de casos e óbitos. Entretanto, com as medidas já adotadas, a região deve ter uma redução na transmissibilidade do novo coronavírus.

"O impacto das medidas restritivas para uma epidemia é um pouco mais tardia, demora mais a acontecer", afirma.

 

Nordeste errou menos

 

O neurocientista Miguel Nicolelis chegou a coordenar o comitê científico do Nordeste em 2020 e início de 2021. Ele deixou o cargo em fevereiro , após o aumento de casos. À época, os governos estaduais não seguiram orientações dos especialistas para fechamento de serviços não essenciais.

"Diria que os governos cometeram erros, mas o Nordeste errou bem menos", diz. "É como uma turma em que ninguém passou de ano, mas os governos nordestinos tiveram a melhor nota da sala", compara.

Para Nicolelis, a região colhe ainda bons frutos das medidas adotadas na primeira onda.

"A mensagem passada da gravidade da pandemia foi bem maior, os governos alertaram mais, o que não ocorreu de forma tão explícita em nível nacional. Sem dúvida foi a região menos negacionista do país." Miguel Nicolelis, neurocientista e pesquisador

O pesquisador ainda lembra que, na primeira onda, os governos seguiram mais as recomendações científicas e colheram frutos disso. "Tivemos lockdowns bem sucedidos, começando por São Luís, depois Fortaleza, a Grande Recife e João Pessoa. Os resultados foram bons. Em São Luís, por exemplo, os efeitos positivos foram sentidos por quatro meses e levaram o Maranhão a ter menor taxa de óbito do país", cita, lembrando medidas como modelo para o país.

"Ações como a criação de brigadas de saúde no Piauí e a suspensão do transporte intermunicipal na Bahia foram boas, tiveram grande impacto e reduziram o poder letal da pandemia", diz.

 

Mortalidade por 100 mil habitantes por região em toda a pandemia

  • Nordeste - 134
  • Sul - 184
  • Sudeste - 186
  • Norte - 191
  • Centro-Oeste - 210

 

Mortalidade por 100 mil habitantes por região em 2021:

  • Nordeste - 49
  • Sudeste - 81
  • Norte - 91
  • Centro-Oeste - 96
  • Sul - 107

 

Fonte: Ministério da Saúde até dia o 15/04/2021

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Marreta Popular
Marreta Popular
Sobre Notícias, artigos e denúncias que refletem os anseios do povo.
Teresina - PI Atualizado às 18h47 - Fonte: ClimaTempo
31°
Poucas nuvens

Mín. 25° Máx. 36°

Qua 35°C 24°C
Qui 36°C 24°C
Sex 37°C 24°C
Sáb 37°C 24°C
Dom 37°C 23°C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes